[Teste RD] ASUS EeePad Slider

Depois de termos testado o primeiro Tranformer e o seu sucessor, o Transformer Prime, chegou a vez do ASUS EeePad Slider passar pelas nossas mãos para mais um Teste RD.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Frente (aberto)

O conceito é simples: dotar um tablet de um teclado que esteja sempre à mão e nos permite escrever mais comodamente. Será que cumpre o objectivo? Conto-vos tudo já de seguida.

Apresentação

A primeira vez que vi o ASUS Slider foi há mais de um ano, durante o MWC 2011. Depois de ter aparecido na feira de Barcelona o Slider ainda demorou bastante a chegar a Portugal. Inicialmente previsto para funcionar sobre um sistema Windows, o Slider acabou por ver instalado o Google Android. Esta mudança de opinião até faz algum sentido tendo em conta a fraca adaptabilidade dos actuais Windows para trabalharem num tablet.

Mas claro que o que mais distingue e até dá o nome ao Slider é o seu teclado deslizante. Escondido por baixo do ecrã este teclado revelou-se útil mas… Mas o melhor mesmo é continuarem a ler este teste que conto-vos tudo de seguida. Antes disso passamos primeiro pela lista de características técnicas do ASUS EeePad Slider.

Características técnicas

Processador
Fabricante Nvidia
Modelo Tegra 2
Núcleos 2 x Cortex A9
Velocidade 1,2GHz
Instruções ARM v7
Software
Sistema operativo Android
Versão 3.2 Honeycomb
Kernel Linux 2.6.36
Interface ASUS Waveshare UI
Memória
RAM 1GB
ROM 16/32GB
Ecrã
Diagonal 10,1 polegadas
Resolução 1.280 x 800 pixels
Densidade 149,2 ppp
Tipo TFT IPS
Protecção Gorilla Glass
Áudio
Saída 3,5mm
Altifalante Mono
Melhoramentos SRS
Ligações
Cartões de memória microSD
USB Sim, 2.0
Bluetooth Sim, 2.1 + EDR / A2DP
WiFi 802.11 b/g/n
HDMI Sim, saída miniHDMI (tipo C)
Fotografia e Vídeo
Tipo sensor CMOS
Resolução 5 megapixels (2.592 x 1.944 pixels)
Focagem automática Sim
Flash Não
Formato de gravação de imagens JPG
Formato de gavação de vídeos 720p (3GP, 3G2, MPEG4)
Câmara frontal Sim (1,3MP)
Receptor GPS
Tipo Antena interna
Protocolo NMEA 0183
Bateria
Tipo Iões de lítio
Autonomia estimada 8 horas
Dimensões
Corpo 273 x 180,3 x 17,3 milímetros
Volume 851,5 cc3
Peso 960 gramas
Outras funcionalidades
Teclado qwerty completo e deslizante; Bússola, sensor de luminosidade, acelerómetro, giroscópio

Embalagem e acessórios

A embalagem em que vem o Slider não poderia ser mais simples: uma caixa em papelão, escura e que contém o Slider e os seus acessórios. A caixa acaba por ser um pouco maior do que seria de esperar, podendo facilmente ser mais fina o que permitiria poupar espaço e nos custos de fabrico. Mas a ASUS lá saberá porque optou por uma caixa tão grande.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Embalagem

No seu interior temos o Slider, um cabo USB, um carregador de parede e os manuais de instrução / garantia. De notar também que o modelo que recebemos vinha com uma capa em camurça de muito belo efeito e que protege bastante bem o Slider. Não consegui verificar se esta capa vem também nos modelos que se encontram à venda ao público. Se for esse o caso, os meus parabéns à ASUS pela oferta.

Design e aspecto geral

Primeira impressão: o ASUS EeePad Slider é pesado. Com quase 1KG de peso total, este é um tablet que não é nada leve. Aliás, utilizá-lo apenas “à força de braços” durante largos períodos de tempo torna-se cansativo e pouco agradável.

No que toca ao design propriamente dito gostei bastante, com a ASUS a optar por linhas sóbrias e materiais de boa qualidade. Na frente do Slider temos o ecrã de 10,1 polegadas (resolução de 1.280×800 pixels e do tipo TFT com painel IPS). Este apresentou sempre uma qualidade de imagem bastante boa, com um contraste mais do que satisfatório e umas cores vibrantes sem no entanto serem demasiado berrantes. Em luz solar directa o ecrã do Slider teve algumas dificuldades mas nada por aí além, continuando a ser utilizável sem grande esforço. Ainda na frente temos também a câmara frontal de 1,3 megapixels.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Frente

Na lateral esquerda deste tablet encontramos o botão de alimentação, os botões de volume e o microfone. Do lado oposto temos uma porta USB standard (que dá muito jeito para ligarmos uma pen, um rato ou outro dispositivo USB) e a entrada para um cartão microSD que permite assim ser trocado sem termos de desligar o equipamento. Bom ponto.

No topo do Slider encontramos a saída HDMI assim como uma ligação que serve para recarregar o Slider ou ainda ligá-lo a um PC através de uma ligação USB. Na parte traseira temos a câmara principal do Slider, com uma resolução de 5 megapixels. O material da traseira está dividido em duas partes, delimitadas por uma pequena inserção cromada. Além disso temos também os pés de borracha que entram em acção quando queremos utilizar o Slider com o teclado aberto.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Lateral Direita Teste RD- ASUS EeePad Slider: Lateral Topo
Teste RD- ASUS EeePad Slider: Lateral Esquerda Teste RD- ASUS EeePad Slider: Lateral Fundo

Falando no teclado este é bastante agradável de utilizar e vem trazer uma muito bem vinda versatilidade ao Slider. Pena as teclas não serem retro-iluminadas o que dificulta um pouco a utilização deste tablet em ambientes mais escuros. Outro ponto menos positivo é a falta de espaço para os pulsos. Claro que seria de esperar tendo em conta a forma como tudo isto foi construído mas isso leva a que em certas circunstâncias não seja tão fácil escrevermos à velocidade que seria de esperar ao utilizar um teclado físico.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Mecanismo abertura Teste RD- ASUS EeePad Slider: Mecanismo abertura
Teste RD- ASUS EeePad Slider: Teclado Teste RD- ASUS EeePad Slider: Teclado

O mecanismo que se encarrega da abertura e fecho do teclado é bastante sólido e transmite confiança ao utilizá-lo. Aberto, o Slider coloca um ângulo de aproximadamente 45º entre o teclado e o ecrã. Infelizmente este ângulo não é regulável pelo utilizador.

Pessoalmente acabei por ficar com a sensação que a ideia era boa mas prefiro o conceito dos Transformer. Isto porque com eles conseguimos ter um tablet com teclado mas também sem teclado. Retirando a base o tablet perde peso o que o torna mais agradável de utilizar como tablet e também mais leve. Ao colocar a base ganhamos em versatilidade e em autonomia. No caso do Slider temos de andar sempre com o teclado connosco, perdendo ainda para mais os benefícios da bateria extra incluída na base dos Transformers…

Sistema operativo

O sistema operativo incluído no ASUS Slider é o Android na versão 3.1, aka Honeycomb. A correr em cima de um Tegra 2 da Nvidia, o sistema é muito fluído e agradável de utilizar. O multitasking é gerido de forma eficiente (graças também à potência debitada pelo processador) e termos o browser aberto enquanto escrevemos um email e ouvimos música em fundo é perfeitamente possível e sem qualquer tipo de lentidão.

Interface

A ASUS inclui com o Slider a sua interface Waveshare UI. Esta interface, no que toca a alterações, não vai tão longe como algumas das suas concorrentes, mantendo-se mais próxima da interface de base do Android. No entanto aqui e ali notamos o toque dos engenheiros da ASUS e quase sempre para melhor.

A ASUS Waveshare UI é bastante agradável de se utilizar e intuitiva. Pena mesmo, tal como já referimos noutros testes, que a barra de botões e de estado que o Android apresenta na parte de baixo do ecrã não desapareça quando estamos a utilizar aplicações em ecrã completo como é o caso dos jogos. Além de roubar algum espaço acaba por destoar da utilização que estamos a fazer do tablet.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Traseira

Outro problema, e que apenas o tempo e aposta dos programadores poderá resolver, é a falta de aplicações dedicadas aos tablets de que padece o Android. Claro que aqui a tendência é comparar com o seu grande rival, o iOS. E o Android acaba por fica um pouco mal na fotografia com poucas aplicações pensadas directamente para serem vistas em ecrãs tão grandes como o dos tablets. Veremos por quanto tempo este será um problema na plataforma móvel do Google.

Para tentar contrariar um pouco tudo isto a ASUS inclui de fábrica um conjunto de aplicações bastante úteis: ASUS WebStore, Movie Studio, MyCloud, MyLibrary, MyNet, Polaris Office, Press Reader, TegraZone e o Zinio Reader. Claro que a utilidade irá sempre depender do que cada um pretende fazer com o seu tablet mas incluir, entre outras, uma aplicação completa que nos permite editar documentos “produtivos” é uma boa adição. Aliás, é mesmo disso que vamos falar a seguir: produtividade.

Produtividade

É óbvio que quando olhamos para um tablet com um teclado completo e a possibilidade que o Android Honeycomb nos dá em ligarmos um rato USB pensamos de imediato em documentos de texto, folhas de cálculo ou mesmo apresentações.

Apesar dos tablet Android ainda não serem o substituto ideal para um portátil, a verdade é que editar documentos “do escritório” no Slider torna-se bastante mais agradável. O grau de compatibilidade com documentos criados no Office da Microsoft ou no OpenOffice (para citar apenas estes dois) vai depender – e muito – da aplicação que iremos utilizar.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Entrada microSD Teste RD- ASUS EeePad Slider: Porta USB

Neste capítulo o Polaris Office faz um trabalho bastante bom e conseguimos editar documentos de texto ou folhas de cálculo com alguma facilidade. No que toca a apresentações estamos um pouco mais limitados ao nível da edição mas ainda assim, e com a saida HDMI que possui, o Slider torna-se um bom companheiro para levarmos para reuniões.

Multimédia e Lazer

Ao nível do multimédia, o ASUS Slider traz-nos tudo o que seria de esperar de um tablet Android com um poderoso processador. Os jogos são todos muito fluídos e com gráficos muito bons (depende do jogo, claro). Destaco aqui o Galaxy On Fire 2, optimizado para o Tegra, que é verdadeiramente de encher o olho. No que toca a música, o Honeycomb não desilude com a aplicação de reprodução musical bem pensada e prática.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Detalhe saída HDMI

Já ao nível dos vídeos ficamos um pouco mais limitados pois os comuns formatos DivX e Xvid não são suportados de origem o que limita um pouco as capacidades multimédia deste tablet. Claro que podemos sempre passar pelo Google Play e encontrar por lá algumas aplicações que permitem a reprodução por software destes formatos mas não é bem a mesma coisa: nem ao nível da qualidade, nem ao nível do desempenho e ainda menos ao nível da autonomia que se vê reduzida ao recorrer a estas soluções.

Fotografia e vídeos

As câmaras que acompanham o Slider fazem um trabalho bastante razoável para um dispositivo móvel. Claro que a que mais se destaca é a câmara traseira de 5 megapixels que nos permite tirar fotos de uma qualidade aceitável. As cores são bem reproduzidas e o desempenho em ambientes mais escuros é até um pouco melhor do que noutros dispositivos que já testámos. No entanto parece haver um pouco de falta de detalhe, nomeadamente ao nível dos contornos o que faz com que o resultado final possa parecer um pouco difuso.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Câmara traseira

A câmara frontal é mais limitada (como seria de esperar) e deverá servir principalmente par as vídeo-chamadas através do Gtalk, Skype ou qualquer software equivalente.

Autonomia

As 8 horas de autonomia anunciadas pela ASUS revelaram ser bastante acertadas. Em média foi o que conseguimos tirar do Slider em utilização normal, jogando um pouco, alguma música e navegação na net assim como com alguma edição de documentos à mistura.

No entanto reparámos que ao utilizar mais intensamente o teclado e o WiFi a autonomia do Slider desce ligeiramente, aproximando-se mais das 7 horas de utilização.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Carregador

Para um dia de trabalho estes números serão suficientes mais não esperem obter a mesma liberdade que os oferecem nos Transformers com as suas duas baterias (a do tablet e a da base).

Resumindo e concluindo

Ao devolvermos o Slider à ASUS ficou uma sensação mista. Se à partida o conceito parecia muito promissor, a verdade é que depois de testarmos os dois Transformers da mesma ASUS ficamos a sensação que o Slider está um pouco atrasado no tempo.

Isto porque acaba por ter algumas das vantagens dos Transformer mas sem a sua versatilidade e autonomia adicional. O teclado é bom e a construção de todo o Slider muito bem conseguida, com materiais agradáveis ao toque.

Teste RD- ASUS EeePad Slider: Lateral (aberto)

O ASUS Slider é com certeza uma opção muito válida para quem quer ter uma utilização mais profissional do seu tablet. No entanto se tivesse de escolher julgo que optaria por um dos Transformers (mesmo que seja o TF101) em detrimento de um Slider.

Pontos a favor :)

  • Ecrã de boa qualidade;
  • Teclado incluído;
  • Desempenho global;

Pontos contra :(

  • Peso excessivo;
  • Autonomia mediana;
  • Não dá para regular inclinação do ecrã;
  • Teclado sem espaço para pousar os pulso;
Selo RD - Prata

O que significa este selo?

Página oficial: ASUS EeePad Slider

[pais id="pt"]
O ASUS Eee Pad Slider ao melhor preço:



[/pais]

Antes de passar às fotos que tirámos ao Slider resta-me agradecer a vossa companhia em mais um Teste RD! Se tiverem alguma dúvida, crítica ou sugestão não hesitem em entrar em contacto connosco.

Galeria de imagens

Estas são as fotografias que foram tiradas ao ASUS EeePad Slider durante a realização deste teste:

6 Respostas

  1. Ricardo Goncalves

    Gostei da review, mas noto que de algum tempo para cá deixaram de incluir videos (o que é pena, pois acho que era uma maneira de se destacarem dos outros sites). Parabéns na mesma!

    Responder
    • Pedro "Nastase" Anastácio

      Ricardo, foram os últimos dois testes… que sofreram do mesmo mal: estar na mesma partição que deu o berro :( O próximo teste (ainda esta semana se tudo correr bem) já voltará a contar com os vídeos.

      Obrigado pela força e pelo comentário!

      Responder
  2. tiago

    Acham que este ou algum dos Transformers é suficiente para quem quer redigir textos/apresentações escolares, ver uns filmes/séries e navegar na net?

    Responder

Partilha a tua opinião!

O teu endereço de email não será publicado